EUA mudam voto na ONU e apontam viés anti-Israel

Na votação marcada para esta sexta-feira na ONU sobre a resolução “The Occupied Syrian Golan”, os EUA vão mudar sua tradicional abstenção para um voto “não”, disse a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, em comunicado. “Se essa resolução já fez algum sentido um dia, certamente hoje não faz mais”. “Essa resolução é claramente tendenciosa contra Israel”, disse Haley. A resolução pede a retirada israelense das Colinas de Golã, região capturada por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e anexada ao território israelense no início dos anos 80. Mas os Estados Unidos e a comunidade internacional há muito se recusam a reconhecer a soberania israelense e a consideram oficialmente como território sírio “sob ocupação”. O embaixador israelense na ONU, Danny Danon, saudou a decisão dos EUA, afirmando em comunicado que “a mudança no padrão de votação americano é mais uma demonstração da forte cooperação entre os dois países”. “É hora de o mundo distinguir entre aqueles que estabilizam a região e aqueles que semeiam o terror”, acrescentou.