26 de setembro de 2017 English Español עברית

Conib Logo

Conib se solidariza com ministro brasileiro barrado em embarque de avião para os EUA

24 Ago 2017 | 17:31
Imprimir

O secretário especial de Assuntos Estratégicos da Presidência, Hussein Kalout, foi impedido de embarcar em um voo da American Airlines de Brasília para os Estados Unidos, na segunda-feira (21), após se recusar a se submeter a uma inspeção especial, que ele considerou humilhante.

Kalout iria a Nova York em missão oficial para participar de eventos no Council of the Americas e no Council on Foreign Relations. Ele cancelou todos os compromissos oficiais que teria nos Estados Unidos.

O secretário se negou a passar pela inspeção corporal, dizendo que já havia sido revistado e que portava passaporte diplomático. "Fui a única pessoa a ser retirada da fila, quase entrando no avião, porque meu nome é árabe. Está evidente que foi racismo", disse Kalout à Folha de S. Paulo.

O presidente da Conib, Fernando Lottenberg, enviou a seguinte mensagem ao secretário: “Lamentável o ocorrido com você, no embarque. Receba nossa solidariedade contra essa atitude discriminatória”. Kalout respondeu: “Fico tocado e muito emocionado com o Vosso gesto de grandeza. Isso significa muito para mim. Agradeço o apoio e a solidariedade da comunidade judaica a quem presto o meu profundo respeito”.

Segundo informou a Folha de S. Paulo, o secretário estava prestes a entrar no avião, quando um funcionário o avisou que ele teria de sair e se submeter a uma inspeção especial para poder embarcar.

Kalout argumentou que já havia passado pelo procedimento de segurança e indagou o motivo para a inspeção especial. "São ordens do governo americano", teria respondido o funcionário da companhia aérea.

O secretário diz acreditar que a situação tenha piorado por causa das regras mais duras do governo de Donald Trump em relação à entrada de estrangeiros provenientes de alguns países árabes. Kalout é brasileiro com ascendência libanesa.

Segundo ele, o número dois da embaixada americana nos EUA, William W. Popp, foi à secretaria pedir desculpas e lamentar o ocorrido. "Foi um gesto significativo e respeitoso", disse.

Em comunicado, a American Airlines afirmou que apenas segue as regras de inspeção da Transportation Security Administration, a agência do governo dos Estados Unidos que cuida da segurança em aeroportos.

Apenas presidentes e primeiros-ministros ficam isentos de inspeções de segurança.

Leia na íntegra a reportagem da Folha de S. Paulo.

Hussein Kalout. Foto: Divulgação.





Comentários


Últimas do Blog

Vídeos