26 de maro de 2017 English Español עברית

Conib Logo

“Refugiados creem mais nos valores do Ocidente do que em países vizinhos”. Por Osias Wurman, cônsul-honorário de Israel no Rio

21 Set 2015 | 12:08
Imprimir

Somos todos Aylan!

Por Osias Wurman

É dramático assistir às cenas dos refugiados que buscam a Europa como porto seguro na tormenta que varre seus países de origem. Milhares têm morrido na travessia dos oceanos, mas não podemos esquecer que mais de 250 mil sírios já foram mortos em seu próprio país, numa guerra deplorável e fratricida.

Vale lembrar que apenas o conflito na Síria já produziu mais de quatro milhões de refugiados desde 2011. A grande pergunta que não quer calar é saber a quem cabe o dever de amparar crianças, mulheres, idosos e, sobretudo, humanos.

Sinto-me suspeito para julgar, pois sou filho e neto de imigrantes poloneses que, na década de 30, tiveram que abandonar seu país atolado em racismo e antissemitismo e só conseguiram abrigo no Brasil de Vargas, apesar de ter havido um período de embargo à imigração. Minha solução seria primeiramente acolhê-los para em seguida realocar as vítimas desta megatragédia (...)

Causa-nos um profundo questionamento sobre o que motiva os refugiados sírios a não procurarem ou privilegiarem na sua escolha de destino, os países árabes vizinhos da Síria? Por que países como Turquia, Jordânia e Arábia Saudita, que têm profundas afinidades com os retirantes em idioma, religião, hábitos alimentares e culturais, são usados como mero corredor de passagem e preteridos aos países longínquos e desconhecidos da Europa?

A resposta é dura de ser digerida e aceita, mas em grande parte é devido ao fato de os refugiados acreditarem mais nos valores democráticos do mundo ocidental do que nos governos monárquicos, demagógicos ou belicistas do mundo árabe que os circunda.(...)

Mas a causa desta tragédia não está sendo atacada: o interminável conflito na Síria. Enquanto as grandes potências não acordarem sobre um futuro de paz e convivência para a devastada realidade na Síria, outrora um país estável, laico e acolhedor, o drama dos refugiados só tende a se agravar. (...)

Leia o texto completo em O Globo.





Comentários


Últimas do blog

Vídeos